AMANTES

“Minha vida, nossas vidas formam um só diamante”c. d. andrade

Amantes trata da equalização das energias complementares femininas e masculinas em um âmbito expandido de compreensão das polaridades, representadas nesta série através da figura humana.

Fusão e hibridismo marcam a relação que se dá entre os corpos que representam essa perspectiva de unidade, casamento entre os pólos. O encontro entre luz e sombra, vida e morte, suavidade e dureza, consciente e inconsciente dentro e fora de nós mesmos através da energia do amor e da compreensão.

As pinturas trazem questões relativas à plasticidade dos corpos, expansão da consciência, conexão com a natureza, a valorização do feminino centrado na figura da mulher e suas derivações, o caminho do autoconhecimento e a investigação das sombras para integração das partes.

OPEN vem dizer: tudo que em mim habita deve ser abraçado, olhado e mirado com compaixão.

Amantes diz fusão, Átomo e Universo se refletem – assim em cima como embaixo – o tamanho das figuras revela que apesar de pequenos, somos parte de uma grande trama, de um Todo.

No cruzamento dos complementares, toca-se em questões relacionadas à origem[útero] -o mistério-  abordado a partir de temáticas, mitos e arquétipos como a Árvore da vida, o fruto proibido, o sagrado coração, animalidade,  trindade, deidades diversas, figuras do universo pop, do cinema, da história da arte, do tarô, dos mêmes.

O distanciamento da mãe natureza, do instinto ligado ao feminino e às forças inconscientes tem levado o homem civilizado a viver o pesadelo de um mundo dissociado que supervaloriza a razão e a evolução econômica a qualquer custo. A exclusão, violência e ódio ao feminino, encontra-se nas raízes mais profundas de uma série de males que estamos a viver diariamente.Amantes vem elevar e elogiar a energia do amor e do cuidado a ser comungada junto de seu complemento.

Performances realizadas durante a exposição:

Zazen, com a orientacão do monge Daniel Sei Wa

Kundalini, com a orientação de Fernanda Polse